Pular para o conteúdo principal

Vereadora Rubicléa propõe maior fiscalização da acessibilidade em grandes eventos


A Vereadora Rubicléa verificou que há um grande problema para os cadeirantes e pessoas com nanismo em  shows  promovidos em Balneário Camboriú onde há falta de acessibilidade em espaços culturais, cinema, casa de shows e festivais.


Sua preocupação a área para pessoas com deficiência não existia, onde os cadeirantes e pessoas com nanismo se misturavam ao público em geral. Em nossa cidade há a  Lei nº 1286/1993 que assegura direitos e incentiva o turismo às pessoas portadoras de deficiência física. Nesta lei há em seu artigo 21, parágrafo único, o seguinte "Ficam reservados três (3) lugares à permanência dessas pessoas nesses estabelecimentos, no mínimo" este espaço ainda precisa ter mínimo 0,80 x 1,25 (oitenta centímetros por um metro e vinte e cinco centímetros).


Entretanto não há fiscalização alguma para confirmar que a acessibilidade prometida no papel está sendo efetivamente colocada em prática. "Se estamos falando de Inclusão, as empresas de eventos devem pensar  neles pois pagam ingressos como todos que ali frequentam aos shows" enfatiza Rubicléa.

Com o exposto a Vereadora Rubicléa quer aumentar a fiscalização desses eventos para que todos possam usufruir de seus direitos e gostaríamos de saber de sua opinião:

Você concorda que deveria existir lugares reservados para pessoas com deficiência?

Qual sua proposta para melhorar essa fiscalização nos eventos, já que consta em lei que se tenha lugares reservados?

Texto informado pela assessoria.

(Esta postagem faz parte da atividade intitulada "Vereador por um dia" no qual acadêmicos simulam o processo de proposição, discussão e votação de propostas legislativas. Para mais informações clique aqui).

Comentários

  1. Concordo sim, que deveria existir lugares reservados para pessoas com deficiência!!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!! Excelente iniciativa!!! Aprovada ideia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ayame, por apoiar essa idéia! Conto com você!

      Excluir
  3. Antes de recorrer ao órgão fiscalizador, a pessoa que se sentir lesada, deve, primeiramente, tentar contato com o primeiro responsável. “Tem que tentar conversar com a pessoa responsável pelo fato, o gerente, por exemplo. Isso não resolvendo, é preciso documentar o acontecido no intuito de obter provas de que aquela situação realmente ocorreu. Depois disso, se nada for resolvido, aí sim, é preciso buscar o órgão competente”.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Art. 33 - A inobservância do disposto nesta Lei sujeitará o infrator a pagara multa equivalente a 20 (vinte) Unidades Fiscais do Município, no caso de pessoa física, e de 100 (cem) Unidades Fiscais do Município, no caso de pessoa jurídica, por autuação lavrada, sem prejuízo das demais cominações legais, estabelecendo-se o prazo, de uma fiscalização para outra, de 30 (trinta) dias.

      Parágrafo 1º - A reincidência da infração levará o comitente a pagar a penalidade em dobro.

      Parágrafo 2º - A quantia arrecadada será distribuída a todas as entidades com personalidade jurídica de direito privado que tratem de pessoas deficientes no âmbito deste Município.


      Só esqueceram de dizer quem fiscaliza.

      Excluir
    2. Obrigada Cotrim pelo esclarecimento isso é de grande valia para todos entenderem o processo e a burocracia da maquina publica, o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência é o órgão fiscalizador da política Municipal da Pessoa com Deficiência.

      Excluir
  4. Muito legal a iniciativa!
    Seria interessante que os portadores de deficiência tivessem local designado de fácil acesso também nos shows em locais abertos, sem ter que pagar a mais por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima dica Carlos! Estarei verificando essa possibilidade!

      Excluir
  5. A acessibilidade existe mais ninguém respeita. A lei existe e ninguém respeita , seria muito bom que os cadeirantes tivessem seus direitos seguidos, ótima iniciativa vereadora.

    ResponderExcluir
  6. Excelente proposta, mulher humana que visa o bem da população.
    São de pessoas assim que nosso Brasil precisa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, conto com você nessa caminhada! Juntos seremos mais fortes!

      Excluir
  7. Super apoiada vereadora. Pois é uma luta vital diária para todos aqueles q vivem com sua limitação. Assim como todos, eles tem o direito de irem no seu entretenimento e curtir seu show... em um lugar de fácil acesso e locomoção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Daniela pela sua preocupação e vamos juntas nessa batalha!

      Excluir
  8. Muito bom Rubi! Acessibilidade, quando vejo iniciativas assim me sinto mais pertencente a uma sociedade em que vivo, imagine como as pessoas diretamente interessadas se sentem?

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pela iniciativa Rubi, isso manifesta o senso de justiça, imparcialidade e respeito a igualdade de direitos!!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Vereador Marcos Borges propõe debate sobre a leitura da bíblia nas reuniões da câmara de vereadores de Balneário Camboriú

O regimento interno da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú prevê que nas reuniões ordinárias, após a conferência dos vereadores presentes, seja lido um trecho da Bíblia. Você concorda com essa prática?
O Brasil, segundo dados do IBGE de 2013, é o maior país católico do mundo, com aproximadamente 127 milhões de fiéis, o que representa 65% de toda população e 12% dos católicos de todo o mundo. A Constituição Federal de 1988, garante aos cidadãos vários direitos e garantias fundamentais, no seu artigo 5º, diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.
Porém, a constituição também trata da organização do Estado, da política e da administração, o artigo 19 diz que é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer cultos religiosos ou igre…

Vereador Mauro Riquelme indica que se exija ensino superior para os Comissionados

Projeto preza pela transparência quanto a escolaridade e atribuição aos comissionados. Tem como premissa regulamentar junto ao portal da transparência, gestão de pessoas a informação com escolaridade do comissionado, assim como requisitos mínimos de competência para o cargo exercido.

O projeto exige que seja incluso no portal da transparência do município a escolaridade e área de formação do comissionado, assim como inclusão de competências e atribuições (assim como servidores efetivos) do cargo que este estiver lotado.

Portanto, o comissionado terá requisitos objetivos para ser nomeado, extinguindo ou ao menos filtrando a competência técnica coerente com o cargo exercido.

Texto informado pela assessoria.
(Esta postagem faz parte da atividade intitulada "Vereador por um dia" no qual acadêmicos simulam o processo de proposição, discussão e votação de propostas legislativas. Para mais informações clique aqui).

Vereadora Juliana Camargo diz que a ausência de estacionamento público gera transtornos na cidade

Os moradores da cidade e os turistas que necessitam fazer compras, pagar contas, ir nas agências bancárias, enfim, ter acesso aos estabelecimentos da cidade, sentem a dificuldade de encontrar vagas de estacionamento, principalmente no período da alta temporada e feriados.
O Projeto de Lei que será proposto pela Vereadora Juliana Camargo visa criar uma alternativa para disponibilizar vagas de estacionamento para os moradores e turistas da cidade. A proposta deseja instituir no âmbito municipal o estacionamento público gratuito em terrenos ociosos. O projeto prevê a parceria entre a Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú com os proprietários desses terrenos, por meio de contrato, com objetivo de melhorar o acesso aos estabelecimentos comerciais e auxiliar na desobstrução das ruas.
Essa é uma reivindicação da população, principalmente dos comerciantes que possuem estabelecimentos no Centro, onde alegam que em decorrência da falta de estacionamento na cidade, os consumidores acabam s…